A escolha dos insumos farmacêuticos nas farmácias magistrais é um dos principais desafios do setor, mas também é o que garante a qualidade da formulação. 

Se eles são os responsáveis por viabilizar a eficácia dos medicamentos manipulados para as pessoas, a escolha da matéria-prima é fator decisivo na qualidade da formulação, pois afeta outros processos da farmácia, como produção e estoque. E garante a segurança do medicamento para o paciente. 

Entre as exigências para a obtenção de uma licença da vigilância sanitária está a compra de insumos por meio de distribuidores legislados pelo órgão que regula o setor. A maioria dos insumos usados nas farmácias de manipulação é importada, o que encarece os produtos. Entre as peculiaridades do setor está também a obrigatoriedade de que a farmácia tenha um laboratório.

Mas, nada disso impediu o crescimento constante das farmácias magistrais no Brasil, mas elas ainda sofrem com o descrédito de algumas pessoas. 

Uma maneira de driblar essa situação é aprimorar o controle de qualidade dos insumos escolhidos. Isso significa realizar testes para garantir que o manipulado chegue ao cliente com a qualidade esperada. Vale ressaltar que com a manipulação de fórmulas é possível personalizar a dose e forma farmacêutica para atender necessidades individuais.

Se as redes de farmácias de manipulação encontram dificuldade para se expandir  em relação às drogarias tradicionais, a saída parece ser mesmo crescer em qualidade. É preciso ser criativo e ter, na ponta do lápis, os valores de cada insumo a serem escolhidos para garantir preços atrativos e um manipulado de qualidade. 

Então veja como escolher os insumos farmacêuticos para sua farmácia de forma correta:

1- Reputação dos fornecedores: analisar a documentação, o armazenamento e as condições de fracionamento são fundamentais na hora de escolher um bom fornecedor. Além de ter capacidade técnica, a empresa deve seguir as regulamentações da  Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). É importante também escolher um fornecedor que esteja antenado nas últimas novidades em soluções farmacêuticas e mantenha bons acordos farmacêuticos.

2- Matéria-prima: o farmacêutico deve verificar os certificados de origem das matérias-prima e os laudos de análise. No momento do recebimento, elas devem ser identificadas, armazenadas, colocadas em quarentena, amostradas e analisadas conforme suas especificações e rótulos. Cada lote de insumo farmacêutico deve passar por um teste que verifica suas características organolépticas, que são: pH; peso médio; densidade; grau ou teor alcoólico; viscosidade; volume; teor do princípio ativo; dissolução; pureza microbiológica. É preciso verificar também a integridade e limpeza da embalagem, assim como conferir o pedido com a nota de entrega.

3- Armazenamento: a farmácia precisa ter espaço adequado para armazenar seus insumos farmacêuticos, que devem ser identificados de maneira organizada e padronizada, preservando a qualidade dos produtos. As farmácias magistrais devem seguir as indicações do fornecedor. 

4- Laboratório: os laboratórios localizados dentros de cada farmácia de manipulação devem seguir a legislação vigente. Ela prevê que haja área mínima de 10 m²; paredes de azulejo ou revestimento liso e pintura a óleo; iluminação adequada com espaço para área escura (leitura cromatográfica); localização do almoxarifado e laboratórios de produção isolados e com temperatura ambiente de 20 graus Celsius para o funcionamento de equipamentos analíticos. As bancadas devem ser de alvenaria ou madeira formicada, com camada protetora para evitar quebra das vidrarias, entre outras especificações.

5- Rotulação e escolha de embalagem: após a manipulação, a solução farmacêutica deve estar corretamente rotulada, com prazo de validade indicado e na embalagem adequada. Além de proteger o manipulado, ela conserva as propriedades da solução, garantindo sua eficácia. O rótulo deve conter outras informações importantes acerca da medicação.

6- Planejamento do estoque: o processo de estocagem deve se basear nos históricos de entrada e saída de insumos dos últimos anos, assim como os hábitos, tendências de consumo do público da farmácia e novidades do mercado. Com o estoque no nível adequado, a farmácia magistral pode prever uma quantidade ideal de insumos, que serão produzidos de acordo com a demanda do público, evitando desperdícios na etapa de escolher insumos farmacêuticos, garantindo o equilíbrio na produção.

Esperamos que essas dicas sejam úteis para você que tem ou está montando uma farmácia magistral e entrando para este mercado. Temos muitos conteúdos úteis:

Conheça nossas soluções!

 

 

Deixe sua resposta